"Podes dizer-me, por favor, que caminho devo seguir para sair daqui?
Isso depende muito de para onde queres ir - respondeu o gato.
Preocupa-me pouco aonde ir - disse Alice.
Nesse caso, pouco importa o caminho que sigas - replicou o gato."

Lewis Carroll






segunda-feira, 24 de maio de 2010

Pro que der e vier...

Recebi um email esta tarde, com uma mensagem, um pensamento, um tanto quanto pesado, mas muito realista e, que ainda se encaixa no assunto “valorização”. Muitas pessoas entram na nossa vida, contribuem, alegram, destroem, machucam, ajudam... Mas poucas estão e estarão ao nosso lado independente da burrada que fizermos nas boas e nas más horas... Então aí vai:

''Como tudo deve ser;
Pare para pensar, e meça importâncias.
Seja sincero com você mesmo, ninguém precisa saber.
Diga pra si mesmo, as pessoas mais importantes; apenas para si mesmo.
Pense se você as trocaria por alguma coisa.
Principalmente, pense se valeria a pena.
Seja sincero! O que é mais importante, a sua vida social ou os seus amigos de verdade?
Você abriria mão de tudo por alguém?
O que é mais importante, a confiança dos seus pais ou a liberdade que existe sem ela?
A sua família, ou aquelas pessoas que apareceram agora na sua vida? A qual dos dois você dá mais atenção?
Seja sincero.
E prepare-se, para se surpreender com algumas respostas; para descobrir que elas estão erradas, que elas não seguem seus princípios de criança. E para não se importar nem um pouco com isso!
E prepare-se mais ainda; para perceber que não é assim só com você...
Que muitas pessoas te trocarão por simples prazeres momentâneos; que muitas te perderiam por uma simples conveniência. Separe aquelas que você tem certeza que te dão importância; e aquelas que fazem um trato silencioso de fingir até que não seja mais necessário.
Isso é pra você não se desesperar, quando essas pessoas sumirem da sua vida. ''

Refletindo sobre esta mensagem (que deve ser até daquelas correntes de Power Point), me dou conta de como as relações casuais são fortes, importantes obviamente, mas que tomam grande espaço, substituindo momentos e relacionamentos sinceros realmente relevantes na vida. Penso que eles também são uma oportunidade e um caminho para criar e fortalecer laços marcantes, mas muitas vezes não nos importamos com isso e decidimos manter as coisas conforme nosso interesse exige, resultando em muito pouco de tudo que poderia ser.
Ou outras vezes, vemos que quem nos dava valor e estava de verdade nos apoiando, foi quem menos retribuimos este "carinho", quem menos tivemos consideração.
Mas o bom de percebermos tudo isso é que "embora ninguém possa voltar a trás e fazer um novo começo, qualquer um pode recomeçar e fazer um novo fim".

=]

Um comentário:

Agnes disse...

Lendo tudo que tu escreveu aqui me dou conta de porque nos damos tão bem... Acho que não consigo discordar de ti em nenhum arrgumento! Te amo amiga!